terça-feira, 5 de julho de 2016

A Caverna de lascaux

  CAVERNA LASCAUX 

A Caverna de lascaux está localizada na região da dordonha, na França, centro-Ocidental, região, aliás, rica de sítios pré-HISTÓRICOS. Descoberta em 1940, a caverna de lascaux apareceu agora como um dos maiores achados artísticos da idade paleolítica. Nas paredes, mas em especial sobre o teto, são representados centenas de animais, pelos bois aos cavalos, dos búfalos aos cabras dos Alpes, etc. A técnica de execução é aquela da pintura parietal pré-Histórica: esta técnica consistia no estender as cores directamente nas paredes das cavernas. Não houve uma preparação para o emplastro da parede (por que é absolutamente incorrecto definir estas pinturas dos "frescos"), E, portanto, as cores estavam deitados directamente sobre a rocha. Se esta última era de origem calcária, conseguia fazer penetrar em profundidade o pigmento colorido, especialmente se a gruta apresentava um clima interior húmido. Caso contrário, a película colorida tinha pouca aderência à superfície rochosa e acabava por desaparecer definitivamente dentro de algumas décadas.
Se se considerar que estas tintas que chegaram até nós têm uma idade compreendida entre os 15.000 e os 20.000 anos, você pode muito bem avaliar a excepcionalidade destes achados. Mas se estas tintas sobreviveram a isso se deve também a outras circunstâncias. Muito provavelmente, estas grutas, para efeito de tremores de terra ou similares, ficaram entupidas por milénios. Isto resultou numa espécie de conservação "vácuo" das cavernas, nas quais a ausência das variações climáticas e meteorológicas preveniu a deterioração das tintas. O problema que você tem em vez reapresentada hoje com maior problemática: o acesso e a visita a estas grutas pode produzir todos esses danos que até agora me faltaram. Assim que se tornou necessário, impedir a entrada nas grutas, se não a poucos estudiosos (não mais de uma dezena a semana), Mantendo também uma espécie de clima constante com condicionadores de ar no interior da caverna. Em Lascaux, também foi realizado um clone da caverna para uso dos turistas. Cerca de vinte anos atrás, foi iniciada a construção de uma caverna em cimento completamente idêntica ao original, em que vários pintores têm fielmente reproduzido as tintas, assim que os inúmeros turistas atraídos pelo local podem visitar pelo menos a fingir caverna.
Voltando ao problema artístico de estas tintas parietais, observa-se a grande habilidade em tornar a descrição da natureza dos animais retratados. Os artistas que tenham realizado essas tintas não só conheciam bem a realidade, mas tinham consciência clara, sim que podiam generalização a imagem com absoluta mestria e segurança.

Se estas tintas tivessem efeitos mágicos ou expiatório é difícil de dizer. O que significava o misterioso rio de animais que flui nas paredes da caverna francês de lascaux, a "Capela Sistina da pré-história"? Uma estudiosa, chantal jégues-Wolkiewiez, agora está convicta de ter descoberto: poderia ser a primeira representação astronômica da civilização humana.
A teoria de chantal jégues-Wolkiewiez
No mundo é conhecida como uma das " Catedrais " da arte rupestre paleolítica, tanto que alguém foi batizada a " Capela Sistina " da pré-História. As pinturas realizados nas paredes e sobre a vez da caverna francês de lascaux cerca de 17.000 anos são uma das mais extraordinárias maravilhas que chegaram até nós pelo passado. Este sítio arqueológico porém representa para os estudiosos também um grande enigma. Por décadas, com efeito, os peritos esforçaram-se de compreender qual era a razão pela qual os homens se avventurarono no ventre profundo da terra para realizar aquelas imagens. Foi dito que o interior da gruta era um lugar sagrado, onde os xamãs iam para encontrar-me com os espíritos das divindades; que as salas e as tripas mais escuros eram talvez o lugar em que se consumiam rituais de iniciação e cerimônias da chuva para a caça; ou Mesmo que essas obras-primas fossem a expressão do senso estético dos nossos antepassados. O mágico solstício de verão. Há pouco tempo, às diversas hipóteses veio juntar-se a de uma etnoastronoma francês, chantal jégues-Wolkiewiez. Segundo ela a lascaux seria representada uma antiga mapa do céu. "tudo começou quando decidi verificar uma teoria minha", Explica a pesquisadora. " eu tinha medido a orientação da entrada da caverna e eu me convenci de que durante o solstício de verão, os raios do sol ao pôr-do-Sol vos entrarem até iluminar as pinturas do grande salão dos touros. Por este motivo, em 21 de junho de 1999, juntamente com Jean-Michel Geneste, o arqueólogo responsável pela conservação de lascaux, desloquei-me ao lugar. Era exatamente como pensei. Isso significava que esta não foi escolhida ao acaso. Os quadros da sala dos touros eram feitas de modo que fossem rischiarati pelo sol moribundo do solstício, talvez porque, como demonstrou Alexander Marshak, no seu livro as raízes da civilização, o solstício de verão era um período especial, que serviu como ponto de referência Para a medição do tempo durante a era paleolítica ". Partindo desta primeira constatação chantal jégues-Wolkiewiez voltou várias vezes na cavidade subterrânea. Trabalhou no interior da sala dos touros, ao fundo do divertículo e poços. Queria saber se os animais bonitos pinturas sobre a vez e nas paredes de lascaux correspondessem de alguma forma às constelações do zodíaco localizadas na parte do céu e da terra aparece sempre atravessada pelo sol. A hipótese comprovada no campo: " para verificar a minha nova hipótese elaborei um mapa do céu relativa a pouco mais de 17.000 anos atrás e no meu computador eu o definido no momento da ocorrência das estrelas a noite do solstício de verão. Entre as tintas parietais eu então escolhido como referência os pontos mais acentuados que contrassegnavano os contornos dos animais (como por exemplo as extremidades dos chifres, do nariz, os olhos). Constatei a perfeita coincidência entre estes e os pontos do céu da época presentes no mapa que aparecia na tela do meu laptop, bem como a semelhança de forma entre as constelações e algumas das tintas ". Para dar exemplos, segundo chantal jégues-Wolkiewiez um dos grandes uri, mais não é que o escorpião, assim como alguns cavalos corresponderiam à constelação de Sagitário. Pinturas para um local de culto.

Há ainda a compreender por que motivo os homens pré-históricos deveriam pintar as constelações na parede da caverna. "era uma reconstrução do céu estrelado, em que as constelações eram a imagem das suas divindades", Continue a etnoastronoma. " Cerimônias religiosas, rituais de iniciação e invocações aos deuses eram comemorados em uma sala da caverna do que em outra dependendo das partes do firmamento representadas. Tudo acompanhado por uma ideia de transformação e de renascimento, o que acontecia depois de um percurso semeado de provas rituais. O coração da caverna poderia simbolizar seja o reino dos mortos, quer a mãe terra atrás da qual desaparecem os corpos celestes antes de nascer de novo. Mas continuam a fazer muitas pesquisas ". Se o que afirma a pesquisadora ficasse verdadeiro, isso alteraria a forma de interpretar, não só a arte rupestre, mas também a história da astronomia, tendo em conta que comumente se fazem subir as primeiras observações astronômicas do passado à época da Babilônia, cerca de 5 mil anos atrás . Os arqueólogos parecem mas indiferentes a esta nova ideia. " nenhum deles alguma vez seguiu as minhas conferências. Os resultados da minha pesquisa os colocam diante de inúmeras dificuldades, devido ao fato de que quase sempre eles não têm uma formação astronômica ", Conclui a pesquisadora. " as suas objecções mais frequentes afectam o fato de que há milhares de estrelas, a esses pontos, se poderiam fazer corresponder, sabe-se lá quais delas. No entanto, não consigo pensar que alguém possa confundir por exemplo a constelação de touro com Orion, que as está de lado. Em qualquer caso, vou em frente, mesmo com dificuldades."






 O "Boi preto" da caverna de lascaux
O Grafiti de lascaux não são obra de indivíduos primitivos. E muito provavelmente, a maior parte das pinturas rupestres no mundo são provavelmente obra de indivíduos muito evoluídos.
A figura-Chave, para compreender o mega-Galáctico mensagem inerente às centenas de tintas da caverna de lascaux é o grande boi preto. O que mais impressiona é o fato de que, nele, existe uma ordem em compartimentos. São muitos os detalhes não harmoniosos com o conjunto:
1-os cornos do touro, uma obra-prima de estilo, parecem pertencer a uma outra imagem
2-o "Galo" na cabeça não tem sentido
3-a cabeça é demasiado pequena, em comparação ao corpo
4-a cabeça tem um formato trapezoidal, que, mais ainda, "não combina" com o resto
5-o traseiro do touro é imensamente grande
6-o ventre do touro é exagerado
7-as patas e os cascos parecem das obras de arte que a condizer com o resto
8-aquelas duas tesouro, sob as patas traseiras, são uma presença única nos graffiti
9-a besta representada não tem sexo.
Observando bem, descobre-se que:
1-na cabeça do touro havia outra cabeça, mas de homem, depois de um outro indivíduo, de um outro ainda e assim por diante
2-o "Galo" é a cabeça de um bebê sentado e próximo ao ele tem a cabeça de um cão
3-acima dele há a cabeça de um indivíduo, conteúdo, por sua vez, em uma cabeça de minotauro
4-que na cabeça do Minotauro há uma cabeça de mulher... E continuando as imagens tornam-se 50, depois 100 e mais, até não contar.
As singularidades de estas imagens são diferentes:
1-Estão dispostas em vários níveis, uma sobre a outra; cada imagem contribui para formar das outras, tanto que é difícil contar; cada um vê apenas algumas imagens e outras não consegue vê-las
2-grande parte da figura do touro, imagens, incluindo, é constituída por um número incrível de flechas; as flechas são das mais diversas dimensões de 30 cm a poucos milímetros; as flechas são das formas mais imaginativas: retas, curvas , soaring, descendentes, duplos, triplos, de coração, a cauda larga, a campo inteiro ou apenas mencionadas, etc.
A cor de superfície tem dois propósitos:
1-o de esconder o quanto está escrito abaixo e este facto é sintomático e tende a fazer compreender que: a) o autor não se sentia seguro; b) queria que a obra fosse preservada na expectativa de ser compreendida.
1-o de dar um sentido de dor e de tristeza ao que é contado.
Com efeito, esta figura, começando pela pata dianteira direita e subindo, o autor fala da sua pessoal odisséia, fala-nos da sua bela tentada por um jovem robusto e acaba nos fazendo ver um homem maduro, pelos cabelos brancos que rema em um barco improvisado, No meio de um pântano enquanto carrega duas ou mais pessoas deitadas, talvez doentes.
A figura do touro representa também uma posição astrológico porque, as outras figuras perante o touro, representam as constelações do hemisfério ocidental do céu. A partir de uma análise cuidadosa, não há dúvida de que a imagem do boi, na caverna, retrata a constelação de touro. Entre o outro foi pintado em uma parede exatamente orientada pelo ponto de vista astronômico. Se o que está exposto é confirmado, os nomes das constelações (arcaicamente iguais em todo o mundo) foram ensinados ao homo moderno por indivíduos arcaicos evoluídos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário